Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de uma Estudante Universitária

A visão de uma estudante universitária sobre a sua vida académica e pessoal.

Vida de uma Estudante Universitária

A visão de uma estudante universitária sobre a sua vida académica e pessoal.

10
Fev14

Onde eu me fui meter!

Ok, vou ter uma aula de dança com a Blaya. Até agora achava normal, mas acabei de me aperceber da dimensão da coisa. Quase que vou obrigada, é só mesmo para fazer a vontade a umas pessoas que querem muito ir. É que não é nada a minha onda! Não tem nada a ver comigo, mesmo. Vou ser um peixinho fora de água... As figuras tristes que vou fazer vão ser qualquer coisa de ridículo. Pelo menos que alguém se divirta por mim. Eu acho que me vou rir mais do que dançar. Dançar como quem diz... Abanar o lombo. Tentar mexer-me sem parecer uma totó. Missão complicada! Muitooooo! Preciso de sorte. Isto não vai correr nada bem! Mais tarde ou mais cedo vou-me arrepender.

 

08
Fev14

O Chocolate em Lisboa

Ontem fui ao evento "O Chocolate em Lisboa" no Campo Pequeno. O que é que eu posso dizer sobre isto? Fiquei desiludida. Eu e o chocolate somos uma união perfeita, mas desta vez não resultou.

Para começar paga-se entrada e se quisermos alguma coisa lá dentro temos de pagar também, o que é relativamente chato. Estava à espera que houvesse mais coisas para, pelo menos, provar mas havia muito pouco. Em segundo lar, o espaço é um bocado pequeno. Chega uma altura em que não sabemos para onde nos havemos de virar... Isto dificulta um bocado a vida aos curiosos como eu que querem ver tudo ao pormenor e que se passam facilmente da "marmita" quando vêem muita confusão.

Como não tencionava gastar muito dinheiro, optei desde início por comer apenas uma coisa. Tinha a ideia de ver tudo e no fim escolher. Assim foi. O que mais me atraiu, pelo menos à vista, foi uma barraquinha em que se vendiam canecas de morangos com chocolate feitinho na hora. Coisa para custar 4,5€ mas pelo menos ofereciam a caneca... A fila era grande mas como me estava mesmo a apetecer lá fiz o pequeno sacríficio. Quando me vi com a pequena maravilha nas mãos fiquei a babar. Mas os olhos comeram mais que a boca. Só tive tempo para comer dois morangos. Aquela porcaria solidificou num instante e foi completamente impossível arrancar o que quer que fosse daquela caneca com um garfo de plástico. Partiu-se como seria de esperar. E lá se foram 4,5€ mandados para o lixo. A única coisa que se safou foi mesmo a caneca que esteve a um triz de ir também para o lixo tal era o meu descontentamento. E pronto, aqui vos deixo o meu testemunho nada feliz de uma ida ao Campo Pequeno. Espero que quem tenha ido se tenha safado melhor do que eu.

06
Fev14

Aquele Estranho Momento

 

Cheguei agora a casa, fui à antestreia deste filme. Não é daqueles grandes filmes em que dizemos "Tenho mesmo de o ver!" mas está interessante. É bastante engraçado. Houve 2 cenas em especial que me ri até mais não. Estavam mesmo muito cómicas. E claro, com o Zac Efron lá, é impossível não querer ver (as meninas percebem-me...).

05
Fev14

Amor banal

O amor já não o que era. Se é que alguma vez o foi. O amor vulgarizou-se. O amor deixou de mover montanhas e de virar o mundo ao contrário. O amor foi demasiado usado para outros fins. O amor deixou de ser amor. Tornou-se na futilidade de alguém. O amo-te já não é raro, já não é único. Muito menos especial. Já não custa ser dito. O amo-te é deitado fora como uma pastilha elástica sem sabor. O amo-te já não tem a mesma conotação. Dizem "eu amo-te" como quem diz "bom dia" ou "até amanhã". O amor costumava mover pessoas. Agora são as pessoas que movem o amor. Fazem dele o que querem. Moldam-no, usam e abusam. Destroem. O amor agora é de quem não ama. O amor é banal. Mas eu ainda acredito na sua verdadeira essência.

Pág. 3/3