Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de uma Estudante Universitária

A visão de uma estudante universitária sobre a sua vida académica e pessoal.

Vida de uma Estudante Universitária

A visão de uma estudante universitária sobre a sua vida académica e pessoal.

14
Nov15

Exigir demais

Às vezes exigimos demasiado de nós próprios. Procuramos uma perfeição que não existe. Queremos ser bons em tudo o que fazemos e não nos damos conta de que não é possível. O perfeccionismo é bipolar. Tem o seu lado bom de nos tornar críticos com o nosso trabalho. De querer sempre melhorar a todos os níveis. Mas também tem o seu lado mau. Péssimo. O lado de nos tornar frustrados. O lado que nos faz sentir incapazes. Que nos deita abaixo em três segundos. Tenho-me apercebido de tudo isto nos últimos tempos. Eu exijo demasiado de mim própria. Quero fazer sempre tudo bem. Mesmo que seja algo novo. Mesmo que seja algo que nunca tenha feito. Sinto a obrigação de não falhar. A obrigação de ser perfeita no que faço. E quando falho, chateio-me a sério. Sinto-me impotente. Incapaz. Sinto que aquilo que ambiciono não foi feito para mim. E ponho em causa todos estes últimos anos nos quais me tenho dedicado exclusivamente a um único fim. É lixado. É lixado achar que é uma obrigação ser o mais perfeita possível. É lixado mostrar uma postura rígida e inquebrável por fora, quando se é um copo estilhaçado por dentro. 

13
Nov15

Mais um ano

18895802_P0g5w.jpeg

 

Já várias vezes por aqui falei dos Commedia a La Carte. Todos os anos, por esta altura, eles fazem uma temporada de espectáculos, tanto em Lisboa como no Porto. E eu não consigo ficar em casa. Como tal, este ano lá fui outra vez. Fui pela terceira vez e não me arrependo nada. Se for preciso, no próximo ano volto novamente! Já se sabe que este espectáculo é feito à base do improviso, pelo que é sempre, sempre diferente. Nunca houve um espectáculo que me fizesse rir tanto. É do início ao fim uma animação constante e uma interação com o público muito engraçada. Quem já foi, sabe perfeitamente do que falo. Em termos de espectáculos, é do dinheiro mais bem gasto. Acreditem em mim.

02
Nov15

Busy

Neste momento, sinto-me a pessoa mais ocupada do mundo. Tenho tanta, mas tanta coisa para fazer que não sei para que lado me hei-de virar. Cada vez é pior. E cada vez me meto em mais projetos. Não sei bem porquê visto que o meu tempo é tão escasso. Acho sempre que vou conseguir ser mega organizada e fazer tudo e mais alguma coisa mas nunca acontece. Não sei bem como é que me vou safar de tudo maaas.... não há-de ser nada. Reparem que ando com imensa coisa para fazer mas se me perguntarem o que é que fiz no passado sábado, a minha resposta é: dormi a tarde toda. Só para verem a minha reação quando percebo que tenho muita chatice para fazer e resolver. O melhor é mesmo dormir sobre o assunto. Literalmente. 

02
Nov15

Destaques

Quando uma pessoa se dirige à sua caixa de e-mails e vê aquilo com uma afluência anormal, das duas uma: ou toda a gente no mundo resolveu mandar-me spam a uma segunda-feira ou então algum post meu foi destacado. Felizmente foi a segunda opção! Como estagiária aplicada que sou, já não consegui chegar a tempo de ver o destaque na página inicial. Mas de certeza que vocês viram por mim, por isso está tudo ok! Este é só mais um post de agradecimento pelos destaques me têm feito ao longo do tempo. Parecendo que não, é sempre uma forma de conseguir que o blog chegue a novas pessoas. Mais pessoas a virem enganadas aqui a pensar que escrevo alguma coisa de jeito! Não se iludam. A sério. Mas se quiserem muito podem ficar! Eu deixo e agradeço. 

02
Nov15

Desafio #22 | Conhecendo Novos Blogs

A Sofia, a A.R. e a Catarina nomearam-me para responder ao desafio "Conhecendo Novos Blogs" (Obrigada às 3!) mas como eu sou muito lentinha, venho responder fora de horas. De qualquer das maneiras, cá va! 

 

1. Qual o "porquê" do teu blog?

Acho que não é a primeira vez que respondo a esta questão. O blog surgiu durante o meu 1º ano de faculdade (que saudades!) e foi a forma que encontrei de partilhar as minhas vivências académicas com outras pessoas. Resolvi criar o blog muito devido ao facto de, naquela altura, não existirem muitos blogs que falassem do dia-a-dia de um estudante universitário, o que me teria dado muito jeito quando entrei para a faculdade porque estava cheia de dúvidas sobre esse mundo (como toda a gente). 

 

2. Qual a melhor revelação que o teu blog te fez?

As pessoas. Mesmo não as conhecendo pessoalmente, sinto que existe aqui uma comunidade que acaba por saber muita coisa da vida uns dos outros. Pessoas com as quais partilhamos o nosso quotidiano, as nossas experiências e que fazem o mesmo connosco. Acabamos por entrar um bocadinho na vida uns dos outros, mesmo sem nos apercebermos. Todos nós temos aquelas pessoas das quais sentimos falta dos posts quando ficam mais ausentes, certo?

 

3. O que fazes para trazer novos conteúdos para o blog?

Muito do que aqui escrevo é baseado na minha vida. Coisas pelas quais passo, histórias que vivencio... Portanto, todos os conteúdos que trago para cá resultam da minha experiência ou da minha visão pessoal de um determinado assunto. 

 

4. O que gostarias de alcançar com o teu blog?

O meu objetivo com o blog passa por comunicar. Relatar coisas da minha vida, pensamentos ou sensações e chegar às pessoas. Sei que há sempre alguém que se identifica comigo pelo o que escrevo. Sei que, por vezes, consigo tocar as pessoas com assuntos que, apesar de serem pessoais, são comuns a alguém. Por isso, acho que o que pretendo alcançar é mesmo as pessoas. Fazer com que gostem do que escrevo de forma a voltarem cá mais vezes. A vocês que já cá andam desde o início ou quase, espero ter-vos conquistado! ahah

 

5. O que te leva a seguir um blog/página?

O aspecto visual conta muito! Mas também não é tudo. Na minha opinião, deve existir um equilíbrio. É claro que se o blog tiver um aspecto cuidado, é logo um passo em frente no sentido de nos captar a atenção. No entanto, o conteúdo é o mais importante de tudo. Normalmente sigo pessoas com um estilo de vida semelhante ao meu ou então, mesmo não tendo um estilo de vida semelhante, que escrevam algo com que eu me identifique. Uma escrita clara, precisa, fluída é o que mais me capta. Aqueles blogs que, mesmo tendo um texto muito grande, nos fazem ler tudo de uma ponta à outra sem nos importarmos muito com o assunto. Digamos que não há uma fórmula específica que indique que tenho de seguir aquele blog. Tem muito a ver com o meu gosto pessoal. 

 

6. Gostas mais de escrever ou de ser lida?

Gosto muito de escrever. Então quando me sinto inspirada, sai tudo tão melhor! Mas também gosto de ter alguém que leia o que escrevo e que me faça sentir que não escrevo nada em vão. 

 

07. Qual foi a maior surpresa (boa ou má) que a vida adulta te trouxe?

Digamos que não me sinto ainda muito adulta, mas vá... Penso que a diferença mais notória é mesmo a forma de pensar. O que sinto cada vez mais é o peso da responsabilidade. Mas surpresas, acho que não me trouxe nada assim específico. Se bem que a inocência da infância é das coisas que sinto mais falta. 

 

8. Qual é a tua maior paixão na vida?

As pessoas que fazem parte do meu dia-a-dia. Os meus amigos, família... Tudo o que faço com eles. Acho que uma das maiores paixões da vida é viajar, apesar de nunca ter ido muito longe. É uma das coisas que pretendo fazer e na qual quero investir muito até aos 30 anos.

 

9. Qual o hábito diário de qual não prescindes? 

Café. Café. Café todos os dias. Café para todos. Café é vida. 

 

10. Se pudesses viajar no tempo, escolhias ir para o passado ou para o futuro? Porquê?

Sinceramente preferia não ir a lado nenhum. Acho que temos que aproveitar é o presente. Não vale a pena estar constantemente a pensar no passado. E eu até há pouco tempo vivia muito agarrada a tempos passados! Mas é uma das coisas que tenho aprendido. Não vale mesmo a pena. E viajar para o futuro também não era algo que desejaria. Estou naquela fase da vida em que prefiro estar como estou, onde estou. Não faço planos muito longíquos. Não penso demasiado no futuro porque numa fracção de segundos os planos podem todos ir por água abaixo e ficar sem efeito. A única coisa que podemos realmente alterar é o presente. Devíamos centrar-nos nisso. 

 

Bem, acho que este desafio ficou demasiado sério. Nem uma piadinha fiz pelo meio! Estou espantada. Não pode ser. Não levem o que eu digo demasiado a sério. Até porque eu sei zero sobre a vida. De qualquer forma, fica aqui muito da minha forma de pensar. Não leiam tudo que está muito grande, não vale a pena :p

 

Não vou nomear ninguém porque já toda a gente deve ter respondido a esta TAG. A única atrasadona sou mesmo eu. 

Pág. 2/2